Professor Jurandi denuncia condição precária dos ônibus estudantis em Taquaritinga do Norte

Durante mais uma sessão da Câmara de Vereadores de Taquaritinga do Norte, o vereador presidente da Casa, professor Jurandi abordou as pautas apresentadas pelos parlamentares, como o abastecimento hídrico no município, obras de pavimentação, estoque de remédio nas unidades básicas de saúde e o hospital da cidade, a compra dos ares condicionados para o distrito de Pão de Açúcar, garantido por devoluções da Câmara e duas situações que exigem a devida atenção, a condição dos transportes que levam os estudantes norte-taquaritinguenses e uma exigência para que os comerciantes que vendem seus produtos em quiosques na Praça Otto Sailler, no centro da cidade. 

Preocupado com o bem estar dos estudantes e com a segurança nos veículos que transportam diariamente centenas de alunos, o vereador denunciou as condições precárias em que se encontra a frota de ônibus de Taquaritinga do Norte. Após receber denúncias de pais e dos próprios estudantes, foi observado que o mesmo veículo já transportou cerca de 100 pessoas em uma única viagem e que a frota está com vários carros quebrados. Estima-se que cerca de 15 ônibus estejam avariados. "Os ônibus estão em situação terrível, e isso é ruim não apenas para os estudantes, mas também para os motoristas, coloca em risco a vida de todos, é uma situação séria e irresponsável", denunciou. 

Quiosques

Uma iniciativa recente da Prefeitura de Taquaritinga do Norte visa cobrar o valor mensal de 255 reais de aluguel para os comerciantes que mantém seus estabelecimentos em quiosques na praça Otto Sailler, no centro da cidade, professor Jurandi cobrou explicações a respeito da cobrança, uma vez que os trabalhadores não têm a devida condição de trabalho no espaço. 

"Uma situação injusta está acontecendo a respeito dessa cobrança mensal, pois não há água para os quiosques, não há segurança, itens básicos da infraestrutura, e a prefeitura pretende cobrar o valor de 255 reais, enquanto os comerciantes do Centro Comercial Demétrio Paes de Andrade pagam uma taxa mensal de 120 reais e têm toda a infraestrutura e serviços. Nós vereadores vamos buscar esclarecimentos junto à Prefeitura para saber os motivos e fazer uma cobrança justa a estes comerciantes do centro da cidade", afirmou Jurandi.