Por mais investimento público

Recentemente escrevi que o Covid-19 desnudou a ortodoxia dos liberais brasileiro. Os liberais brasileiros detestam fazer política que sejam confundida com política mais a esquerda. Resultado, o caos se instalou na sociedade, aprofundou a crise sanitária que por consequência aprofundou a crise na economia. Os dois setores, saúde e economia, são muito sensíveis, não permitem erros nem atrasos nas decisões.


No caso da crise sanitária, o governo central, negligenciou, de forma absurda, a pandemia, deixando a sociedade entregue a própria sorte, desde do inicio no meado de março, usou um discurso negacionista e genocida, de que era uma “gripezinha” e que “mais de 70% da população ira se contaminar, lamento mais não posso fazer nada”, além de boicotar o trabalho dos dois Ministros da Saúde. Isto fez com que perdêssemos tempo com debates marginais, enquanto o mundo estava se preparando para enfrentar a crise. O resultado foi que o Brasil chegou tarde nas compras de respiradores, testes para diagnosticar o Covid-19 e outros produtos de combate a pandemia. Resultando, em três meses 26 mil mortos.


No campo econômico as coisa foram mais graves ainda. Do lado dos trabalhadores, retardou a ajuda financeira a população que mais precisava, fez um discurso divisionista, ao mesmo tempo que o dinheiro não chegava, dizia que as pessoas tinha que trabalha, que as pessoas iriam morre de fome. Este discurso dificultou a estratégia da orientação da OMS e outros organismos Multilaterais de atuação na área de saúde, que no momento de incerteza e de desconhecimento do vírus o melhor remédio era o isolamentos social.


Do lado das pessoas jurídicas, a falta de uma politica de ajuda as micros e pequenas empresas, devastou a base da economia. Muitas dessas empresas sumirão do mapa e outras terão muitas dificuldades de voltar a funcionar. Conforme dados, são estas micro e pequenas empresa que empregam mais de 70% da mão de obra no Brasil. Agora já se sabe que o entendimento da equipe econômica é de desprezo por esta demanda empresarial, na fala do Ministro da Economia, na horrorosa reunião ministerial – “… primeiro vamos ganhar muito dinheiro com as grandes empresas, e vamos perde muito com as pequenas…”. Foi o que aconteceu na prática, os micros e pequenos empresários estão sem créditos para minimamente manter suas empresas funcionando e poder pagar sua folha de pagamento, que já daria um grande alivio na pressão pelo recurso emergencial.


Diante deste quadro preocupante, o Ministro Paulo Guedes ataca com um discurso fora da lógica momentânea, ainda insiste em um ajuste fiscal impossível de ser realizado no momento. A insistência no controle fiscal neste momento é de uma perversidade patológica.


Neste momento, o principal fator de desequilíbrio fiscal é a recessão, derrubando as receitas ficais. Não tem como obter nenhum equilíbrio fiscal com a manutenção da recessão e da pandemia. Hoje, 29/05, o IBGE divulgou o PIB do primeiro trimestre de 2020, quenda de 1,5%, levando em consideração que a pandemia iniciou no meado de março, significa dizer que o segundo trimestre a queda será ainda maior.


Colocar o debate do ajuste fiscal num momento de pandemia é simplesmente para justificar o atraso da ajuda aos Estados e Municípios, bem com, no repasse da ajuda emergencial a população que mais precisar. Com relação aos Estados e Municípios, só no dia 27/05, que o Presidente sancionou a Lei de ajuda de 60 bilhões há mais de três meses da crise sanitária, em meio a uma abrupta queda na arrecadação.


O desafio agora é pressionar o governo em abandonar momentaneamente esta agenda fiscalista e aumentar os gastos público, sob pena de retardar a retomada da atividade econômica por mais tempo.


Joeides Pereira da Paz

É Economista

Articulista Econômico do Economia PE

Hospital de Referência Boa Viagem e Agamenon Magalhães somam 120 leitos de UTI para pacientes de Covid-19

Em pouco mais de dois meses, Governo de Pernambuco abriu quase 1,5 mil leitos exclusivos para tratamento do novo coronavírus no Estado


Com 120 leitos de UTI exclusivos para tratamento de pacientes com Covid-19, os hospitais Agamenon Magalhães e de Referência Covid-19 - Unidade Boa Viagem (antigo Alfa), se tornaram as unidades com maior número de vagas de terapia intensiva para tratamento do novo coronavírus em Pernambuco, com 60 leitos cada.


Localizado no bairro do Parnamirim, zona norte do Recife, o Agamenon Magalhães abriu, de ontem para hoje (30), 16 novos leitos de UTI, e dispõe, atualmente, de capacidade para 60 pacientes suspeitos e confirmados da Covid-19 em suporte de terapia intensiva, além de outras 30 vagas com suporte de oxigênio na emergência geral, destinados à admissão e estabilização de pacientes. Já o Hospital de Referência Covid-19 - Unidade Boa Viagem, na zona Sul do Recife, abriu mais cinco leitos de UTI e 15 de enfermaria. Em apenas 45 dias de funcionamento, a unidade já soma 180 leitos, sendo 60 vagas de UTI e 120 de enfermaria.


Para atingir esse número de leitos, o Hospital Agamenon Magalhães foi reforçado com mais de 400 profissionais de saúde de diversas especialidades médicas, enfermeiros, fisioterapeutas, técnicos de enfermagem e técnicos de laboratório. Também precisou passar por uma readequação interna, para estruturar de forma mais adequada espaços específicos para pacientes suspeitos ou confirmados da doença, incluindo a criação de uma triagem externa para o primeiro atendimento da população que chega à unidade, seja por regulação ou demanda espontânea.


“Todas essas ações foram planejadas e executadas pelo comitê de crise da unidade, que conta com a participação do grupo gestor do hospital e as principais lideranças do serviço. Esse grupo foi responsável pelo plano de contingência do Agamenon Magalhães, criado em um esforço conjunto de todos os profissionais, bastante comprometidos e motivados com a situação que temos enfrentado”, afirmou o secretário estadual de Saúde, André Longo.


HOSPITAL DE REFERÊNCIA – Apenas 45 dias após ser reaberto como unidade dedicada exclusivamente ao tratamento do novo coronavírus na rede estadual, o Hospital de Referência Covid-19 - Unidade Boa Viagem passa a contar com 180 vagas para pacientes com a Covid-19, sendo um dos hospitais com maior quantidade de leitos dedicados à pandemia, inclusive com relação à terapia intensiva (55).


A unidade, que estava fechada desde 2018, foi requerida administrativamente pelo Governo do Estado e passou por uma reestruturação, com o objetivo de ampliar a assistência oferecida aos doentes infectados pelo novo coronavírus no Estado.


LEITOS – Em pouco mais de dois meses, a rede estadual atingiu a marca, neste sábado (30), de 1.489 leitos abertos para pacientes da Covid-19, sendo 662 de UTI, consistindo no maior esforço de aberturas de vagas já feito na rede pública de saúde. Nos próximos dias, a previsão é de que outros 38 leitos de terapia intensiva sejam abertos nas cidades de Vitória de Santo Antão, Garanhuns, Caruaru, Serra talhada e Goiana.

Após reunião com entidades do setor econômico, Edson Vieira encaminha ao governador Paulo Câmara informações sobre futura abertura do comércio de acordo com recomendações sanitárias

Foi realizada na manhã desta quinta-feira (28), na sala de reuniões da Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe, um encontro do poder executivo municipal com as diretorias do Moda Center Santa Cruz e Câmara de Dirigentes Lojista (CDL) do município.

 

A pauta levantada pelo prefeito Edson Vieira (PSDB), foi de unificar uma proposta com medidas de segurança, planejamentos e estratégias para levar as autoridades sanitárias do estado e ao Governo de Pernambuco um pedido de análise para, após o pico da pandemia, iniciar a reabertura dos centros de compras, Moda Center Santa Cruz e Calçadão Miguel Arraes de Alencar.

 

Após o encontro, o prefeito entrou em contato com o governador Paulo Câmara, e repassou as informações sobre a futura abertura no comércio que atenda todas especificações sanitárias. O governador ressaltou que na próxima semana vai apresentar um plano específico conforme indicadores sanitários para o Polo das Confecções.

 

Edson Vieira falou do objetivo do encontro. “Temos que unificar as propostas para um bem comum de todos. Observamos as sugestões do Moda Center, como também colocamos as ideias que planejamos para o comercio local, em especial o Calçadão Miguel Arraes, além de escutarmos atentamente o ponto de vista da CDL, tudo isso, tendo como foco principal, as medidas sanitárias de segurança no enfrentamento ao novo Coronavírus”, pontuou o prefeito.

 

“Tudo que apresentamos aqui são sugestões, nada está definido, vamos unir as propostas no sentido de viabilizarmos com segurança, a reabertura futura do Moda Center Santa Cruz e Calçadão Miguel Arraes”, contou José Gomes Filho, Sindico do Moda Center Santa Cruz.

 

Na oportunidade, o gabinete do prefeito ficou de agendar o mais breve possível, um novo encontro da gestão municipal com os dirigentes, acrescentando representantes das autoridades sanitárias para formular um guia prático com todas as normas de segurança para elaboração adequada de uma proposta de reabertura dos parques de feiras da Capital da Moda.

 

Integraram as discussões, além do prefeito Edson Vieira, o vice-prefeito Dida de Nan, representantes do Moda Center, CDL, gabinete do prefeito, Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Secretaria Executiva de Comunicação.B

Covid-19: Brasil chega a 465,1 mil casos e 27,8 mil mortes

Cientista Linqi Zhang mostra tubo contendo anticorpos para Covid-19 para possível uso em tratamento contra o novo coronavírus na Universidade Tsinghua, em Pequim


O balanço diário divulgado pelo Ministério da Saúde trouxe 26.928 novas pessoas infectadas com o novo coronavírus, totalizando 465.166. O resultado marcou um acréscimo de 6,1% em relação a ontem (28), quando o número de pessoas infectadas estava em 438.238.


A atualização do Ministério da Saúde registrou 1.124 novas mortes, chegando a 27.878. O resultado representou um aumento de 4,2% em relação a ontem, quando foram contabilizados 26.754 falecimentos por covid-19.


Do total de casos confirmados, 247.812 estão em acompanhamento e 189.476 foram recuperados. Há ainda 4.245 óbitos sendo analisados.


A letalidade (número de mortes pelo de casos confirmados) ficou em 6% e a mortalidade atingiu 13,3 por 100 mil habitantes.


São Paulo se mantém como epicentro da pandemia no país, concentrando o maior número de falecimentos (7.275). O estado é seguido pelo Rio de Janeiro (5.079), Ceará (2.859), Pará (2.827) e Pernambuco (2.669).


Além disso, foram registradas mortes no Amazonas (2.011), Maranhão (911), Bahia (609), Espírito Santo (560), Alagoas (406), Paraíba (327), Rio Grande do Norte (268), Minas Gerais (257), Rio Grande do Sul (213), Amapá (207), Paraná (173), Distrito Federal (154), Piauí (146), Rondônia (145), Santa Catarina (134), Sergipe (142), Acre (135), Goiás (119), Roraima (108), Tocantins (70), Mato Grosso (56) e Mato Grosso do Sul (18).


Já em número de casos confirmados, o ranking tem São Paulo (101.556), Rio de Janeiro (47.953), Amazonas (38.909), Ceará (38.395) e Pará (36.486). Entre as unidades da federação com mais pessoas infectadas estão ainda Pernambuco (32.255), Maranhão (30.482), Bahia (16.917), Espírito Santo (12.903) e Paraíba (12.011).


Segundo o Ministério da Saúde, 70% das vítimas de covid-19 eram pessoas com 60 anos ou mais. Outros 62% apresentavam algum fator de risco, sendo os mais comuns cardiopatia, diabetes, doenças renais, doenças neurológicas e pneumopatias.


As hospitalizações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) por covid-19 somaram 65.758. Ainda há 56.535 casos internados de SRAG em investigação.


Até o dia 28 de maio, foram registrados casos confirmados em 3.963 municípios, 70,7% do total de cidades no país. No dia 28 de março, a pandemia havia sido confirmada em apenas 297 municípios. Na divisão por região, os maiores números de municípios estão no Nordeste (1.489), Sudeste (1.101), Sul (714), Norte (385) e Centro-Oeste (247).

Rede UniFTC oferece inovações no ensino superior e promove vestibular

As inscrições para o vestibular estão abertas e as provas acontecem nos dias 9 e 10 de junho

 

Estar conectado às tecnologias da informação e da comunicação nunca foi tão essencial quanto neste momento que estamos vivenciando. A adaptação a este processo é um verdadeiro desafio, pois requer uma atenção às novas tendências mundiais, à medida que precisamos otimizar nosso tempo, reduzir a distância provocada pelo isolamento social, sem deixar de movimentar nossos sonhos e propósitos, a exemplo do futuro profissional.


Com o mote “Seu Futuro em Movimento”, a Rede UniFTC reuniu soluções que facilitam a busca do melhor meio de ingresso ao ensino superior, garantindo a segurança necessária para os estudantes iniciarem a sua jornada profissional alinhados às transformações globais. “Vivemos um grande desafio e, em momentos como esse, precisamos pensar em soluções para vencer obstáculos e não perder oportunidades de crescer. A UniFTC tem esse compromisso com o crescimento profissional de nossos alunos, por isso nos adaptamos e oferecemos alternativas para o isolamento social que vão desde as aulas em ambiente virtual até as formas de ingresso”, explica Milena Oliveira, Vice-Presidente de Marketing e Relacionamento da Rede UniFTC.


Através do Vestibular Online ou da nota do ENEM dentro do período de até 10 anos, novos alunos podem ingressar nas mais diversas graduações em uma das unidades da UniFTC. Já as modalidades de Transferência Externa e a Segunda Graduação se apresentam como oportunidades de movimentar novas possibilidades de formação e carreira, incorporando a inovação no currículo.


O Vestibular já possui data marcada para os dias 09 e 10 de junho, ocorrendo de forma segura e cômoda para aqueles que querem dar o pontapé inicial para ampliar o conhecimento, e construir novos caminhos. As inscrições estão abertas e podem ser efetuadas através do link: https://bit.ly/VestibularOnlineUniFTC.


Movimentando novas possibilidades


A Rede UniFTC é um dos principais grupos de educação superior atuantes na Bahia e Pernambuco, com unidades em Salvador, Feira de Santana, Juazeiro, Petrolina, Vitória da Conquista, Itabuna, Jequié e Eunápolis. É reconhecida pelos seus diferenciais como o estímulo ao empreendedorismo, ações destinadas à formação e ao desenvolvimento de habilidades técnicas e comportamentais, parcerias com grandes instituições nacionais e internacionais, utilização de metodologias ativas e laboratórios estruturados com tecnologia de ponta.


Recentemente, a instituição incorporou em seu projeto pedagógico institucional o modelo de Educação Interprofissional, que une duas ou mais profissões em situações de aprendizagem e centram as suas ações com atividades conjuntas e específicas para cada área de conhecimento. “Neste método, os alunos estão no centro do processo de ensino-aprendizagem baseado na solução de questões importantes dentro do contexto atual e voltado para o desenvolvimento competências, dentre elas, a do foco na resolução em equipe de problemas complexos e com visão muito integrada com a necessidade da sociedade”, explica o Vice-Presidente Acadêmico e de Relações Institucionais, Ihanmark Damasceno.

Compesa realiza obra de melhoria do abastecimento para bairros de Santa Cruz do Capibaribe, garante o deputado Diogo Moraes

O deputado estadual Diogo Moraes (PSB) em entrevista ao Blog do Alberes Xavier comentou sobre ações de enfrentamento à COVID-19, obras retomadas da adutora do Alto Capibaribe e avaliou o cenário pandêmico estabelecido no Estado.


“Neste momento de crise nós sabemos atender a população que precisa de água e o governador Paulo Câmara determinou que a Compesa realizasse frentes de trabalho e ajustes na rede de distribuição. Estamos felizes porque as obras voltaram e agradecemos pelo gesto do governador, que está bastante preocupado com a economia, com abastecimento de água e no cuidado com as pessoas de risco devido à COVID-19”, destacou ao blog.


Outro tema abordado pelo deputado foi a disposição do governador de Pernambuco no combate à COVID-19 no Estado. Para ele, as medidas adotadas e a ajuda do governo estadual aos municípios tem sido fundamentais no combate do Novo Coronavírus.

Prefeitura de Taquaritinga do Norte realizou mais uma ação solidária no município

A Prefeitura de Taquaritinga do Norte, através da Secretaria de Ação Social e Coordenadoria da Mulher, realizou mais uma ação solidária no município. Dessa vez a localidade contemplada foi o bairro Beira Rio, na Sede da cidade.


Popularmente conhecido como “sopão solidário”, a iniciativa busca amenizar os efeitos da crise, oriunda da pandemia, nas vidas das pessoas mais carentes do nosso município. Se configura como uma ação eventual e é mais uma oportunidade das equipes estarem em campo conhecendo as demandas de quem mais precisa. 


Vale ressaltar que essa localidade já é assistida pelos programas e projetos da assistência social do município e agora recebeu esta ação, como estratégia emergencial para o atendimento das necessidades das famílias.

Petrolina é primeira cidade pernambucana a iniciar retomada gradual da economia

Com indicadores de letalidade e contaminação pelo coronavírus baixos, a Prefeitura de Petrolina decidiu iniciar a reabertura das atividades econômicas na cidade sertaneja. O anúncio de todas as fases do processo foi realizado pelo prefeito Miguel Coelho, nesta sexta (29), em pronunciamento pelas redes sociais. 


A reabertura terá cinco etapas e prazos diferentes dependendo do perfil da atividade. O dia que marca o começo da liberação gradativa em Petrolina é a próxima segunda-feira, 1º de junho. A partir dessa data, estarão autorizadas diversas atividades e serviços com 50% da capacidade. Estão nesse grupo, o comércio, shopping, serviços públicos, parques públicos e templos religiosos. O transporte coletivo por ônibus será liberado em 75% de ocupação. Já a agricultura, indústria, mototáxis, táxis, transporte por aplicativo e serviços essenciais poderão funcionar na totalidade de capacidade. As demais atividades seguem sem funcionar.


No dia 15 de junho, está prevista a abertura de bares e restaurantes em 50%. A capacidade do comércio, shopping, serviços públicos, e templos religiosos poderá ser estendida a 75% a partir desse momento. No dia 1° de julho, academias, cinemas, museus, bibliotecas, teatros, clubes sociais, ilhas e centros de artesanato serão liberados para funcionar com metade da ocupação. Uma nova avaliação será feita no dia 3 de agosto para determinar a ampliação da capacidade de todos os estabelecimentos. A última etapa de liberação gradativa está prevista para dia 31 de agosto, quando a Prefeitura de Petrolina mais uma vez avaliará a liberação completa para todas as atividades, exceto eventos, festas, que permanecerão sem autorização por tempo indeterminado. 

 

Todos os estabelecimentos autorizados terão que manter medidas de prevenção. As práticas incluem desde a proteção de clientes quanto os cuidados aos trabalhadores das empresas. Estão incluídos no rol de exigências para funcionamento: uso obrigatório de máscaras, distanciamento de 2 metros entre as pessoas, testagem de funcionários, afastamento dos colaboradores com algum sintoma, aferição de temperatura entre outras providências. 


A fiscalização de todas as determinações municipais será em caráter educativo até o dia 7 de junho. Depois disso, poderá ocorrer a suspensão e cassação de alvarás entre outras punições. 


O prefeito lembra que a liberação está condicionada à reavaliação quinzenal da Secretaria de Saúde. Caso seja constatado um crescimento relevante de casos, as atividades poderão ser fechadas novamente. "Apesar de todo o cuidado, a prevenção, os investimentos na saúde, o vírus não passou totalmente em Petrolina nem em lugar nenhum. Será preciso um sentimento de responsabilidade coletiva para não regredirmos. Para avançar, todos terão que colaborar, não queremos retroceder nessas etapas, fechar o comércio de novo. Então, peço a comerciantes, empresários, enfim, toda a população para manterem o rigor nos cuidados, usar proteção e evitar ao máximo sair de casa. Poderemos superar juntos tudo isso, mas é necessário comprometimento coletivo", orienta o prefeito.

 

Petrolina, até a quinta (29), registrou 233 casos e 7 óbitos. O município tem uma taxa de letalidade baixa (3%) em comparação a cidades do mesmo porte em Pernambuco e bem menor que as das cidades da Região Metropolitana do Recife. A cidade sertaneja se destaca ainda no nível de testagem, com uma média de 1.368 por 100 mil habitantes, enquanto o estado de Pernambuco contabiliza 527 testes por 100 mil habitantes.


Foto: Jonas Santos

Quarentena rígida não será prorrogada. Determinação de isolamento social e uso obrigatório de máscaras em todo Estado permanece

A partir de segunda-feira, Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes, São Lourenço da Mata e Camaragibe estarão submetidas às mesmas regras das demais cidades pernambucanas


O Governo de Pernambuco não irá prorrogar a quarentena mais rígida no Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Camaragibe e São Lourenço da Mata. A partir da próxima segunda-feira (01), as cinco cidades voltam a se submeter às mesmas regras de isolamento dos demais municípios pernambucanos.


As cinco cidades, que estão há quase duas semanas obedecendo à quarentena mais rígida, são responsáveis por 75% dos casos confirmados e 68% dos óbitos da Covid-19 em Pernambuco. O objetivo da maior restrição à circulação de pessoas nesses municípios foi o de reduzir a curva de contágio do novo coronavírus.


“Só teremos os dados completos com o resultado da quarentena no domingo, mas as informações preliminares mostram uma estabilização da epidemia. Não prorrogaremos as regras mais rígidas na Região Metropolitana, mas ainda precisamos manter o isolamento social”, afirmou o governador Paulo Câmara.


Na próxima segunda-feira, o Governo de Pernambuco vai detalhar o plano de retomada das atividades econômicas no Estado. O estudo foi conduzido pelas secretarias de Desenvolvimento Econômico, da Fazenda, do Trabalho e Qualificação e de Desenvolvimento Urbano. A liberação das atividades será gradativa, respeitando as orientações sanitárias e com um período de 11 semanas para ser totalmente posta em prática.


O planejamento também inclui a análise da quantidade de trabalhadores por segmento e de que maneira o retorno de cada atividade influenciará em pontos complementares como o transporte público. A ideia é que os setores adotem horários diferentes de expediente para não saturar o sistema nos horários de pico.