Homem da Meia-Noite recebe homenagem a pedido do deputado Clodoaldo Magalhães

Parlamentar é autor do requerimento que solicitou sessão solene em comemoração aos 88 anos de um dos blocos mais tradicionais do carnaval pernambucano


“É com muita alegria que realizamos essa homenagem a um dos maiores símbolos do carnaval do nosso estado: o Homem da Meia-Noite, Patrimônio Vivo de Pernambuco”, discursou o deputado Clodoaldo Magalhães durante a sessão solene em comemoração aos 88 anos do Calunga de Olinda. A celebração ocorreu nesta quarta-feira (12), no auditório Senador Sérgio Guerra.


Para o presidente do bloco, Luiz Adolfo, a homenagem tem relação direta com o que O Homem da Meia-Noite representa. “É uma forma de reverenciar aqueles que fundaram a agremiação e um reconhecimento à cultura popular, uma forma através da qual o povo consegue expressar as suas ideias. Trata-se de uma grande homenagem a todos os que fazem parte dessa história”, ressalta o presidente.


Além do deputado Clodoaldo Magalhães e de Luiz Adolfo, a mesa contou com o presidente da Alepe, Eriberto Medeiros, a deputada Teresa Leitão, o responsável por carregar o boneco gigante, Carlos Alberto, e a diretora de jornalismo da TV Globo Pernambuco, Jô Mazzarolo.


A troça carnavalesca é uma das mais antigas agremiações a circular pelas ladeiras do Sítio Histórico de Olinda. O boneco místico e misterioso é símbolo do Carnaval de Olinda e abre oficialmente a folia com seu desfile pela Cidade Alta no sábado, com direito a papel picado, fogos e muito frevo. 


No Carnaval 2020, a agremiação vai prestar uma homenagem à água. Com o tema “Chover”, o evento abordará de maneira lúdica e criativa a preservação da água. Antes do desfile, o calunga conta com uma série de cuidados. Segundo o presidente da agremiação, Luiz Adolpho, entre os preparos estão a troca de roupa que acontece às 18h, um brinde com cachaça e um banho de perfume realizado por crianças.


*O mistério da sua origem*


O boneco gigante de Olinda foi criado por Benedito Bernardino da silva, marceneiro e entalhador e pelo pintor de paredes Luciano Anacleto de Queiroz. Há duas histórias sobre o seu surgimento. Uma delas é que Luciano, apaixonado por cinema, ficou encantado com o filme "O Ladrão da Meia Noite" e, por isso, deu origem ao gigante de 4,5 metros de comprimento. 


Já a segunda versão fala que Benedito sentava-se na calçada da sua casa e sempre via passando um homem alto e forte, que usava um chapéu preto e um dente de ouro. Até hoje, nenhum dos fatos são confirmados. A única certeza é que a criação do clube aconteceu devido a divergências entre os diretores do tradicional Cariri de Olinda, quando alguns desses homens saíram da liderança para fundação do Homem da Meia-Noite.