Reunião em Vitória de Santo Antão debate aglomerações e combate à Covid-19

Publicado por Alberes Xavier em 22/02/2021 às 20:05


Uma força-tarefa será criada em Vitória de Santo Antão para combater a proliferação do novo coronavírus. A intenção é criar estratégias coletivas, principalmente para se evitar as aglomerações que estão acontecendo nos finais de semana na Praça Dom Luís de Brito, conhecida como Praça da Matriz. Vídeos com imagens preocupantes têm circulados nos grupos de conversa e também nas redes sociais.


Além do prefeito Paulo Roberto, e do vice, Edmo Neves, estiverem presentes o juiz Uraquitan Santos; a promotora, Joana Cavalcanti; diversos secretários municipais; representantes da direção dos três hospitais que estão cuidando de pacientes da covid na cidade; o subcomandante do 21º BPM, Major Carvalho Cerqueira; o delegado seccional, Guilherme Mesquita; o capitão André Pereira, do Corpo de Bombeiros; e conselheiros tutelares.


De acordo com Eudes Lorena, secretário de Saúde, a cidade registra 2.681 casos confirmados de Covid-19 e 184 pessoas já morreram por complicações da doença. Além disso já foram 2.391 pessoas vacinadas, quase 500 testes rápidos realizados. Ainda de acordo com dados apresentados por Lorena, os bairros da Bela Vista, Matriz e Cajá, lideram o ranking de casos confirmados, enquanto os bairros da Matriz, Bela Vista e Loteamento Conceição, lideram o ranking de residência de pessoas que morreram.


Para o secretário, “são diferentes problemas que transversalizam o problema das aglomerações na Praça da Matriz”. O prefeito sugeriu que cada instituição pudesse indicar ações para direcionar a operacionalização das iniciativas da força tarefa. A promotora, por exemplo, destacou que o lockdown deve ser observado como última alternativa. O juiz, propôs que as ações escolhidas aconteçam de forma gradativa. A irmã Zezinha, conselheira tutelar, ressaltou que os adolescentes são de responsabilidade dos pais e que eles (os pais) também precisam ser lembrados disso.


O consenso entre todos é que se precisa de um disciplinamento para ajustar a conduta dos donos de bares e restaurantes e, principalmente, das pessoas que utilizam a Praça da Matriz como espaço de lazer. As sugestões vão desde atividades lúdicas e educativas de conscientização, passando pela efetivação da fiscalização da venda de bebidas alcoólicas para menores ou até mesmo a implantação de um toque de recolher.


“O povo está com medo de ir à Praça da Matriz nos finais de semana à noite e juntos nós vamos resolver isso”, disse Paulo Roberto, conclamando os presentes à reunião a se unirem em torno dessas iniciativas e da execução dos trabalhos da força-tarefa, que já deve iniciar no próximo final de semana.