Eduardo da Fonte solicita ao Banco do Brasil que adie o vencimento das parcelas do FAT Taxista por 90 dias sem juros

Para amenizar o impacto financeiro causado pelo coronavírus aos taxistas, o deputado federal Eduardo da Fonte (PP) enviou uma solicitação ao presidente do Banco do Brasil para que prorrogue por 90 dias o vencimento das parcelas do financiamento do Fundo de Amparo ao Trabalhador na modalidade para taxistas (FAT Taxista) e que, neste período, não haja cobrança de juros por causa da prorrogação. 


O parlamentar destaca a forte queda no número de corridas realizadas pelos profissionais, que perderam até 95% dos clientes devido à pandemia do coronavírus. Além disso, o deputado lembra que muitos trabalhadores têm mais de 60 anos e estão sem trabalhar por fazerem parte do grupo de risco.


“Houve grande queda na corrida dos taxistas e, consequentemente, no orçamento desses trabalhadores. Muitas famílias não têm renda suficiente sequer para alimentação, higiene e moradia, quanto mais para manter as prestações do financiamento em dia. O Banco do Brasil ofereceu condições especiais de pagamento para empresas, mas nosso pedido é que sejam oferecidas condições mais justas aos taxistas, que também trabalham com a prestação de serviços e são profissionais autônomos”, afirmou Eduardo da Fonte.