Agência dos EUA autoriza hidroxicloroquina e cloroquina

Por Estadão Conteúdo


A Food and Drug Administration, agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, aprovou de forma emergencial um plano do governo Donald Trump para distribuir milhões de doses de medicamentos contra malária a hospitais em todo o país, dizendo que vale a pena arriscar tratamentos não comprovados para retardar a progressão do novo coronavírus em pacientes em estado grave.


Houve apenas alguns poucos estudos que mostram um possível benefício dos medicamentos hidroxicloroquina e cloroquina para aliviar os sintomas respiratórios agudos da covid-19 e limpar o vírus de pacientes infectados.


Especialistas em saúde alertam que os efeitos colaterais conhecidos dos medicamentos podem se tornar mais comuns com um uso muito mais amplo. Em particular, dizem eles, pacientes com problemas cardíacos existentes ou que tomam certos medicamentos, como antidepressivos que afetam o ritmo cardíaco, correm o risco de um episódio fatal. Os especialistas recomendam a triagem antes que os medicamentos sejam prescritos para evitar mortes relacionadas ao medicamento.

A convite de Edilson Tavares, Lucinha e Mauricinho se filiam ao MDB.

No começo da noite desta segunda-feira, 30, a ex-vice-prefeita de Toritama, Lúcia Pereira e seu esposo Mauricinho, voltaram a aparecer no cenário político da cidade, agora em um ato simples de filiação ao MDB.


No início da noite desta segunda-feira, o prefeito de Toritama, Edilson Tavares, acompanhado de seu chefe de gabinete e alguns aliados políticos estiveram presentes na residência da ex-vice-prefeita Lucinha Pereira e seu esposo, o empresário José Maurício, ou simplesmente Mauricinho.


Segundo as informações o encontro serviu para que ambos conversassem sobre a situação atual da gestão, como: metas, trabalhos e desafios administrativos entre outros assuntos.


Mesmo dizendo que não é momento e nem hora pra se falar ou pensar em política partidária ou eleições municipais, o atual gestor aproveitou para convidar a ex-vice-prefeita e seu esposo para se filiarem ao MDB e prontamente o convite foi aceito. Acabando assim com qualquer investida, caso viesse acontecer por parte da oposição.


Filiada ao PSDB, Lucinha Pereira chegou a ser adversária de Edilson Tavares na disputa pela prefeitura em 2016. Agora, a ex-vice comprova a sua ida em definitivo ao grupo do atual prefeito com a filiação ao MDB e, com isso, reforça seu apoio a reeleição do atual prefeito emedebista, Edilson Tavares.


Após o ato e com as imagens correrem as redes sociais, a ex-vice-prefeita Lucinha Pereira fez a seguinte declaração: "Meus Amigos e amigas eu e meu esposo estamos felizes pelo reconhecimento por parte de vocês, mas declaro que a princípio foi só uma filiação partidária, nada mais, apenas uma comprovação do nosso apoio ao atual prefeito e que se terá ou haverá algo mais, só o tempo vai dizer. Mas seja o que for, espero contar com a compreensão e o apoio de todos. Abraços.


Eu amo vocês!", Escreveu Lúcia Pereira. (Por Wendell Galdino)

Eduardo da Fonte propõe perdão da dívida do FIES para quem é da área da Saúde e trabalha contra o coronavírus

O deputado federal Eduardo da Fonte (PP) enviou ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, uma solicitação para que reveja a política de cobrança das parcelas do Fundo de Financiamento Estudantil (FIES). A medida proposta pelo deputado beneficiaria estudantes e também aqueles que já se formaram.


No pedido enviado ao ministro, Eduardo da Fonte propõe que seja suspensa a cobrança das parcelas do FIES enquanto durar o estado de calamidade pública, decretado por causa da pandemia do novo coronavírus. O parlamentar ainda sugere que todos os estudantes e graduados possam renegociar as dívidas do programa com juros menores e pede que não sejam mais cobradas as parcelas para quem é da área da Saúde e comprovar trabalhar no combate ao COVID-19.


“O avanço da pandemia comprometeu a renda de muitos trabalhadores e estudantes que não vão conseguir pagar as parcelas do financiamento. A crise econômica que está por vir vai prejudicar ainda mais a situação dessas pessoas. Nós precisamos olhar para essas famílias com mais cuidado. A hora é de ajudar a todos, especialmente os profissionais de saúde que têm sido heroicos ao se arriscarem todos os dias para tratar os pacientes que procuram os hospitais”, declarou Eduardo da Fonte.

Paulo Câmara dá continuidade ao ciclo de reuniões com representantes do setor produtivo sobre os efeitos da Covid-19

Por meio de videoconferência, governador ouviu pleitos das entidades e debateu ações conjuntas para reduzir impactos da doença na economia do Estado

 

Dando continuidade ao diálogo com o setor produtivo do Estado, o governador Paulo Câmara promoveu, nesta segunda-feira (30.03), um encontro por videoconferência com representantes de entidades empresariais, para discutir o panorama atual da Covid-19 e os próximos passos a serem dados no sentido de minimizar seus impactos na economia. A iniciativa faz parte do Comitê de Articulação Estratégica de Enfrentamento ao Coronavírus, coordenado pela Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico.

 

O secretário Bruno Schwambach, titular da pasta, destacou que o Governo de Pernambuco está buscando alternativas para manter a atividade econômica e os empregos, mas sempre levando em consideração as recomendações para evitar um maior número de contaminações. “É o momento de atualizar o setor sobre tudo o que está sendo feito e pensar em soluções conjuntas. Queremos ouvir sobre as ações que eles estão tomando e sugestões para eventuais flexibilizações e ações que podemos vir a executar”, explicou.

 

Entre os pleitos apresentados pelos empresários, o principal diz respeito à flexibilização tributária, além de meios para mitigar os efeitos negativos da doença sobre o setor. O governador informou aos participantes que o assunto será discutido na próxima sexta-feira (03/04) em âmbito nacional, durante a reunião do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Fazenda (Consefaz). O secretário estadual de Planejamento e Gestão, Alexandre Rebêlo, também participou da reunião.

“Temos uma aliança construída em Recife que precisa ser preservada, fazendo enfrentamento à direita”, declara o deputado federal Carlos Veras sobre eleições na capital pernambucana

O deputado federal Carlos Veras (PT-PE) foi entrevistado pelo radialista Alberes Xavier para o programa Cidade em Foco da Rede Agreste de Rádios, e comentou sobre sua atuação como deputado federal em Brasília, além de se posicionar com relação a disputa municipal do Recife em 2020.


O deputado, que está em seu segundo ano de mandato, destacou que tem atuado na CPI do óleo, que afetou praias brasileiras, principalmente as do Nordeste, e relatou os desafios enfrentados na Capital Federal.


“Foi um ano muito difícil, em 2019 enfrentamos desafios e terminei o ano com a sensação de dever cumprido. Tive como principal pauta a previdência rural que com muitos esforços conseguimos arrancar da criminosa reforma da previdência do Governo Bolsonaro, pois ele queria que as pessoas se aposentassem com 70 anos e ainda pagarem 600 reais anuais”, disse.


O deputado criticou a gestão de Jair Bolsonaro, e afirmou que o presidente atenta contra os princípios da democracia brasileira. “O governo Bolsonaro não limitou suas prerrogativas de presidente ao convocar protestos que defendiam o fechamento do Congresso e do supremo, e tudo isso é ditadura, tem que haver respeito e harmonia entre os poderes”, frisou.


Recife - Sobre as eleições da capital pernambucana, o deputado federal exaltou as qualidades, tanto de Marília Arraes (PT), como do deputado João Campos (PSB), mas destacou que a discussão do Partido dos Trabalhadores ainda está acontecendo.


“Eu e Humberto Costa seguiremos a decisão do PT, que está sendo discutida. Temos uma aliança construída em Recife que precisa ser preservada, fazendo enfrentamento à direita. João Campos tem se mostrado um jovem deputado muito dedicado, estou com ele na CPI do óleo, e também com Marília Arraes, acredito que os dois tem competências para administrar o Recife. No momento vamos buscar unificar a nossa frente”, encerrou.


Se ligue – O programa “Cidade em Foco” vai ao ar de segunda a sexta-feira: 11:00 hs, na Rede Agreste de Rádios, composta pelas Emissoras: Rádio Filadélfia FM (104,9), Farol FM (90,5), Rádio Cambucá FM (104.9), Rádio Vale FM (91.7), Redentor FM (104,9), Orobó FM (105.9), Potyra FM (87,9), Vertentes FM (104.9) e pela Internet: www.filadelfiafm.net ou através do www.blogdoalberesxavier.com 

Mendonça entra com Ação Popular para impedir a Prefeitura do Recife de antecipar o pagamento do IPTU e da taxa de lixo de 2021

O ex-ministro Mendonça Filho entrou, nesta segunda-feira (30/03) com uma Ação Popular, na 5 Vara da Fazenda Pública, para impedir que o prefeito do Recife, Geraldo Júlio, antecipe o pagamento do IPTU e da taxa de lixo (TRSD) de 2021, comprometendo as finanças do município e a prestação de serviços como a coleta de lixo no próximo ano. “Além de ilegal e inconstitucional, a lei não garante a aplicação dos recursos no enfrentamento da crise do corona vírus, compromete as finanças da próxima gestão e a prestação de serviços para a população como a coleta de lixo em 2021”, afirmou Mendonça, ressaltando que no próximo ano a crise do corona vírus terá passado e o Recife não pode enfrentar novo problema de saúde pública com o não recolhimento do lixo.


Na Ação Popular, Mendonça argumenta que não pode ser dado um cheque em branco para a Prefeitura possibilitar ilegalmente que o contribuinte adiante tributo cujo fato gerador não está implementado. “Essa é uma situação nunca vista, nem mesmo nos municípios mais pobres do Brasil. A Prefeitura tem de fazer sua parte. Cortar despesas com publicidade, cargos comissionados, rever contratos e fazer remanejamento em rubricas orçamentárias. Só com publicidade, a Secretaria de Governo da PCR gastou em 12 meses cerca de R$ 50 milhões”, questiona. Mendonça defende que a atual gestão deveria prorrogar, a exemplo de prefeituras como Teresina, no Piauí, o pagamento do IPTU. “Isso sim é contribuir para amenizar a crise econômica que afeta cidadãos e empresas”, completou. 


Mendonça destaca na Ação Popular, que decisão do Supremo Tribunal Federal, proferida pelo Ministro Alexandre de Moraes, relativiza algumas normas orçamentárias dos artigos 14, 16, 17 e 24 da LRF e 114 durante o estado de calamidade pública e para fins exclusivos de combate integral da pandemia de COVID-19. “O STF foi provocado pelo Governo Federal, numa ação movida pela AGU sobre a flexibilização da LRF, e se pronunciou sobre artigos específicos, deixando inalterado o artigo 38, que veda antecipação de receita no último ano de mandato”, afirmou Mendonça, lembrança que, na sua decisão, o ministro Alexandre Moraes fez ponderações que indicam que não pode o gestor público, sem amparo judicial, simplesmente ignorar as regras orçamentárias e de responsabilidade fiscal. 


A Ação Popular pede a suspenção de homologação da apuração e do recolhimento do IPTU e da taxa de lixo; que a Prefeitura se abstenha de utilizar recursos oriundos de recolhimentos eventualmente já realizados pelos contribuintes; a exclusão da divulgação da antecipação do pagamento nas mídias sociai; a supressão no site de qualquer informação, link ou aba que permita a emissão do DAM (Documento de Arrecadação Municipal) referente à antecipação e, em caso de eventual descumprimento, a aplicação de pena pessoal ao gestor público do Poder Executivo municipal, em valor não inferior a R$200.000,00 (duzentos mil reais) por dia, bem como remessa de peças ao Ministério Público do Estado de Pernambuco para que avalie possível ocorrência de ato de improbidade administrativa.

Em manifesto, FBC reforça defesa do isolamento social contra pandemia do coronavírus

O senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) divulgou nesta segunda-feira (30) manifesto em defesa do isolamento social como a medida mais eficaz para minimizar os efeitos da pandemia do coronavírus. Segundo o documento, assinado por diversos líderes partidários no Senado, somente o isolamento social será capaz de promover o “achatamento da curva” de transmissão da Covid-19 no Brasil.


“A experiência dos países que estão em estágios mais avançados de disseminação da doença deixa claro que, diante da inexistência de vacina ou de tratamento médico plenamente comprovado, a medida mais eficaz de minimização dos efeitos da pandemia é o isolamento social. Somente o isolamento social, mantidas as atividades essenciais, poderá promover o ‘achatamento da curva’ de contágio, possibilitando que a estrutura de saúde possa atender ao maior número possível de enfermos, salvando assim milhões de vidas, conforme apontam os estudos sobre o tema.”


No documento, os líderes lembram que “ao Estado cabe apoiar as pessoas vulneráveis, os empreendedores e segmentos sociais que serão atingidos economicamente pelos efeitos do isolamento”.


Por fim, reiteram o apoio ao isolamento social. “O Senado Federal, através da maioria expressiva dos seus líderes, se manifesta de acordo com as recomendações da Organização Mundial de Saúde e apoia o isolamento social no Brasil, ao mesmo tempo em que pede ao povo que cumpra as medidas ficando em casa.”


Confira a íntegra do manifesto:

Pelo isolamento social


A pandemia do coronavírus impõe a todos os povos e nações um profundo desafio no seu enfrentamento.


A experiência dos países que estão em estágios mais avançados de disseminação da doença deixa claro que, diante da inexistência de vacina ou de tratamento médico plenamente comprovado, a medida mais eficaz de minimização dos efeitos da pandemia é o isolamento social.


Somente o isolamento social, mantidas as atividades essenciais, poderá promover o “achatamento da curva” de contágio, possibilitando que a estrutura de saúde possa atender ao maior número possível de enfermos, salvando assim milhões de vidas, conforme apontam os estudos sobre o tema.


Ao Estado cabe apoiar as pessoas vulneráveis, os empreendedores e segmentos sociais que serão atingidos economicamente pelos efeitos do isolamento.


Diante do exposto, o Senado Federal, através da maioria expressiva dos seus líderes, se manifesta de acordo com as recomendações da Organização Mundial de Saúde e apoia o isolamento social no Brasil, ao mesmo tempo em que pede ao povo que cumpra as medidas ficando em casa.

Se ligue!

Jucazinho já acumula uma barragem do Prata após chuvas dos últimos dias

Do Blog do Edvaldo Magalhães


Na manhã desta segunda-feira (30), o Blog do Edvaldo Magalhães fez um levantamento do volume de água nos mananciais que abastecem Caruaru. A barragem de Jucazinho, em Surubim, está con 21% de sua capacidade, sendo um volume de 42 milhões de metros cúbicos, enquanto a barragem do Prata, no município de Bonito, está com 61% de sua capacidade, sendo 25 milhões de metros cúbicos.


A barragem de Jucazinho que tinha capacidade para acumular 327 milhões de metros cúbicos de água, agora pode acumular até 204 milhões de metros cúbicos de água. Já a barragem do Prata, pode acumular até 42 milhões de metros cúbicos de água.

Danilo Cabral propõe suspensão de cobrança de dívidas financeiras durante pandemia

O deputado federal Danilo Cabral (PSB) apresentou projeto de lei estabelece a suspensão a cobrança de dívidas financeiras, assim como a incidência de juros, multas e demais taxas, por parte de instituições financeiras de qualquer natureza, sobre pessoa física, durante a vigência de estado de calamidade pública. A medida se estende aos cartões de crédito. A proposta vai tramitar no âmbito das discussões de medidas que possam minimizar os efeitos da pandemia provocada pelo novo coronavírus no Congresso Nacional. 


“O Brasil vive uma expectativa de deterioração das condições econômicas e são os cidadãos comuns, em especial aqueles com menor capacidade financeira, as principais vítimas da crise. Então, essa é mais uma ação voltada para proteger as pessoas nesse período difícil”, explica Danilo Cabral. Ele acrescenta que, nesse ambiente, as dívidas, juros, multas e taxas cobradas por instituições financeiras sufocam o orçamento familiar. “Por isso, propomos que elas sejam suspensas temporariamente, até que as famílias possam se reorganizar”, diz. 


Essa é a segunda proposição apresentada por Danilo Cabral com foco na recuperação financeira das famílias. Na semana passada, ele apresentou um projeto que interrompe a negativação de pessoas físicas no período que vigorar o estado de calamidade pública. "Em crises dessa magnitude, em que todos sofrem suas consequências econômicas, os bancos devem ser chamados a darem sua parcela de contribuição”, justifica. 


Pela proposta se suspensão das dívidas, seria criado um dispositivo na Lei nº 4.595,da Reforma Bancária e do Sistema Financeiro Nacional. O novo artigo estabelece que, durante a vigência de calamidade pública, decretada pelo Congresso Nacional, será suspensa a cobrança de dívidas financeiras, assim como a incidência de juros, multas e demais taxas, por parte de bancos e instituições financeiras de qualquer natureza, sobre pessoa física. E determina que as suspensões referidas no art. 52-A se estendem aos cartões de crédito.  


Assinam como co-autores do projeto as deputadas e os deputados Lídice da Mata, Rosana Valle, Liziane Bayer, Felipe Carreras, Alessandro Molon, Luciano Ducci, Camilo Capiberibe, Mauro Nazif, Ted Conti, Denis Bezerra e Gervásio Maia.